Home   |   Caio Fábio   |   Notícias   |     Vem & VÊ TV   |   Loja Virtual   |   Download   |   Contato    |      En Español      In English

E-mail

Senha Pesquisa
 

 

Esqueci minha senha Ainda não tenho cadastro

Pesquisa avançada

Hoje, quarta-feira, 23 de abril de 2014

CANAIS

Mensagens da Graça

In English

Cartas

A Mente de Paulo

Informativo

A Nueza da Alma

Reflexões

Devocionais

Histórias

Artigos

Opinião

Clássicos

Notícias - Brasil | Mundo

En Español

Vem & Vê TV

Cadastre-se

Manutenção do site

 

Você é a favor da redução da maioridade penal?

Sou a favor da redução

Sou contrário a redução

Sou a favor da redução para idade de 12 anos

Sou a favor da redução para idade de 16 anos

Sou a favor da redução para idade de 14 anos

 

Baixe gratuitamente, livros, mensagens e conteúdos diversos.

Faça agora mesmo o seu cadastro gratuito e receba informações atualizadas.

 

Página principal > Cartas

A+  |  A-  |  Imprimir  |  Download Abrir em nova janela   |   Enviar para um amigo

MEU PASTOR, SEU AMIGO, ADULTEROU. O QUE DÁ NA CABEÇA DOS PAS

A formatação do texto está ruim? Clique aqui.

-----Original Message----- From: MEU PASTOR, SEU AMIGO, ADULTEROU. O QUE DÁ NA CABEÇA DOS PASTORES? Sent: segunda-feira, 15 de dezembro de 2003 12:29 To: contato@caiofabio.com Subject: NÃO DÁ PRA ENTENDER Mensagem: Caio Fabio, Estive estudando um pouco sobre suas virtudes e suas derrotas. Aqui na minha cidade (disse a cidade) aconteceu uma coisa parecida com o que aconteceu com você. O meu amado Pastor (disse o nome, é meu amigo) caiu em adultério; e confessou à igreja, e foi um caos... Enfim...tudo isso aconteceu há poucos dias. O que dá na cabeça de pastores que pregam religiosamente contra o sexo antes do casamento e o adultério pra caírem na própria armadilha? O que anda acontecendo com nossos pastores???? *************************************************** Resposta: Meu amigo: Paz sobre a sua alma! Obrigado por “estudar” um pouco minhas “virtudes e derrotas”. Você aprenderá muito com elas. Especialmente com as “derrotas”. Com relação a dizer que o que aconteceu com seu pastor “foi parecido” com o que aconteceu comigo, peço-lhe que tire isto da “cabeça”. O que aconteceu a mim, foi somente a mim que aconteceu. Eu não sou “estatística”. O que me aconteceu foi só meu, e você não sabe o que foi. Portanto, meu amigo, muito cuidado para não tratar a homens como se fossem uma “monocultura”, pois, assim nascem "os amigos de Jó". Com relação ao que aconteceu ao seu pastor, meu querido amigo, aconteceu apenas com ele; e você não tem a permissão de Jesus de julgá-lo, e muito menos de colocá-lo numa linha industrial de pecados iguais aos de outros. Meu querido, somente fariseus pensam que os pecados humanos acontecem de modo igual. Lembra do fariseu que orava ao lado do publicano? O fariseu tratava os pecados dos homens como sendo iguais; chega até a agradecer por não ser “como os demais homens: adúlteros, roubadores e imprestáveis”. O importante é que quem se compara com os outros, não se enxerga; e quem não se compara com ninguém, mas trata do próprio coração diante de Deus, volta para casa justificado, como aconteceu, segundo Jesus, com o publicano, não com o fariseu. A “cabeça” que toma essas decisões malucas é a que não pensa muito bem nessas horas. Davi e um monte de outros “santos” que o digam! É assim com todo mundo, inclusive, e especialmente, com pastores. O que você não está levando em consideração são as seguintes coisas: 1. Seu pastor—e eu o conheço bem, e sei que ele é um homem de Deus—é infinitamente mais assediado que você e todos os membros homens de sua igreja. O volume de assédio é indescritível. Estou justificando o seu pastor? Não! É Cristo Jesus quem o justifica! Estou apenas explicando para você o lado humano dessa questão. Não levá-lo em consideração é hipocrisia e injustiça com a realidade. 2. Acho que sua pergunta não deveria ser dirigida aos pastores. Você deve perguntar isso a você mesmo. “O que dá na cabeça da gente que prega religiosamente contra o sexo antes do casamento e o adultério para cairmos na própria armadilha? O que anda acontecendo conosco?” Responda honestamente. Olhe para você e para o seu coração e responda. Fale a você mesmo—sim, porque sei que você desaprova as mesmas coisas—e tenha a coragem de confessar o que “passa pela sua cabeça”. 3. Também responda se seu pastor era um desses legalistas sem misericórdia e que vive acusando os outros, ou sendo tirano com a fraqueza do próximo. Você sabe que ele não é assim. Você sabe que ele mesmo não tratou a “vocês”—digo: os irmãos, o povo, a assembléia—como um pastor sem coração e sem Graça o faz. 4. Você usou a palavra “religiosamente”. Há aqueles que vivem isso—o adultério—justamente porque são muito “religiosos”. A Moral Religiosa, muitas vezes, cria tanta opressão que acaba criando o efeito oposto: a compulsão para realizar o proibido. No caso de seu pastor (que é meu amigo), digo-lhe que este não foi o caso. Ele é um homem de Deus, e de Deus um homem. Ele não é melhor e nem pior do que nenhum dos personagens da Bíblia que nós veneramos. Seu pastor é um homem, e dos bons. E como homem—ele, eu, você, e qualquer outro—, está sujeito às mesmas paixões comuns entre nós, os humanos caídos. 5. Acho interessante também essa “dor devastadora” e esse sentimento de “perda irreparável” que acomete os “religiosos”—pois lhe digo: você é que é o religioso dessa história!—, quando acontece algo de natureza sexual com algum pastor ou cristão. Digo isto porque vejo “vocês” agüentarem quem roube, trate mal, se imponha com tirania, explore, minta em nome de Deus, não cuide da alma do povo e não se abra ao faminto—sim! a esses eu vejo “vocês” tratarem com extrema boa vontade e vista grossa. Olhe, meu amado, seu pastor é um homem de Deus que sucumbiu a uma fraqueza, está já está perdoado por Deus, só não está perdoado por vocês. Espero que Deus tenha misericórdia de vocês—e de você também—, e não permita que vocês o tratem mal, apenas para depois sentirem saudade dele—após cometerem grande injustiça contra ele—, quando algum “lobo marketeiro e interesseiro” for convidado para pastorear vocês. 6. São sentimentos expressos da forma como você expressou os seus o que me dá um profundo desanimo em relação à “igreja”. Meu amado, de coração, chega a me dar raiva. Em mim não é raiva do fato de seu pastor ter dado esse tropeção—pode acontecer com você, e espero que isso não tenha que lhe acontecer a fim de você aprender a lição—, mas indignação ante o fato que a “igreja” não aprende NUNCA; perde todas as chances que tem de ser igreja, comunidade da Graça, do acolhimento, da verdade, da sinceridade, do perdão, e da celebração da Cruz de Cristo sobre as maldições da Lei. Sim! meu amado irmão: vocês não deixam a Lei morrer, ressuscitam-na para a desonra da Cruz, e estabelecem-na contra o mandamento de Deus: Ama e teu próximo como a ti mesmo. Como é que você gostaria de ser tratado se você fosse ele? Você pediria para ser execrado para sempre? 7. Qual é o seu problema? Você está com vergonha de seu pastor? Está decepcionado? Não entende por que a “cabeça” que não pensa não pensou? É isso? Teme pela imagem da igreja? Está preocupado com “os de fora” ? É isso? Pois bem, tenho a dizer que “os de fora” eu conheço muito bem—talvez pouca gente no mundo cristão conheça tão bem os “de fora” quanto eu—, e posso lhe dizer que do ponto de vista “deles”, o escândalo é “vocês” ficarem tão escandalizados. Os “de fora” escandalizam-se é com o “nosso” escândalo, com nossa irrealidade em relação a natureza humana, a nossa expectativa de que os pastores sejam seres “minerais”, gente acima do bem e do mal. Isso é que os choca, e muito! 8. Desejo falar com você também sobre a aparente intencionalidade que você atribuiu ao seu pastor no que aconteceu. Veja o que você disse: “O que dá na cabeça de pastores que pregam religiosamente contra o sexo antes do casamento e o adultério pra depois caírem na própria armadilha?” Dá até a impressão de que o sujeito iniciou 2003 e disse: “Este ano, segundo o planejado, adulterarei”. Meu irmão, ACONTECE. Pode acontecer a qualquer um. E não é porque a pessoa sabe que algo não deve ser feito, que ela mesma deixará de ensinar o certo apenas porque ela mesma é passível de erro. Ele não está ensinando a si-mesmo como verdade para os outros. Ele está ensinando algo que é para você e para ele também. Mas quem prega a Palavra não se torna a encarnação da Palavra. Meu amado, a Palavra se Encarnou uma única vez, em Jesus de Nazaré. Esperar que ela se encarne toda em mais alguém é blasfêmia. 9. Meu querido, quero dizer que enquanto a “igreja” tratar o sexo como pecado capital—aliás, no meio evangélico, é o único pecado sem perdão—, continuará a haver esse desperdício horroroso de “excelentes soldados de Cristo Jesus”, pois, à cada geração, tais coisas podem acontecer, e todos aqueles que são vitimados por tais tropeços são deixados no chão para sempre pela “igreja”. Não ajude a jogar fora um homem bom. Antes de ser seu pastor, meu querido, ele é seu irmão. 10. O mais chocante é que a esposa dele já o perdoou em Cristo, mas você não. Quem são vocês? Que igreja é essa? De que espírito vocês são? Já conheceram alguma vez o Evangelho? Sabem do que se trata? Foram salvos como? Pela Lei? Onde anda a Graça de Deus entre vocês? Está limitada aos catecismos da denominação? Pelo amor de Deus se enxerguem! Essa chance Deus lhes está dando Hoje! Conheço sua denominação de norte a sul. Conheço os adultérios crônicos de inúmeros dos “grandes pastores” de sua denominação, e que estão aí na estrada há anos, e que ficarão, provavelmente, para sempre “em pé” apenas porque são profissionais na “arte de esconder”. Convidem a esses para as “conferencias evangelísticas” e as abençoadas “semanas missionárias”. Mas desprezem o seu pastor. É! Façam isto! Quem sabe seja isso que vocês mereçam receber mesmo: os lobos. Só sei uma coisa, meu amigo: se eu dissesse tudo o que sei e posso provar que acontece dentro de sua denominação, sobraria muito pouca gente para ser convidada por vocês para qualquer “conferencia”. Pelo amor de Deus, aprenda a separar um acidente de percurso de um percurso que escolhe os acidentes. Sim! Pelo amor de Deus, aprenda a discernir entre um irmão ferido e quebrado, e um cínico e indiferente, e que aprendeu a arte de viver no engano. E mais: tratem com respeito a ele e a família dele. Não os humilhem. Deus haverá de chamá-los para uma conversa caso você os humilhem. Terminando: espero que você não considerem “comum e imundo aquele (aquilo) que Deus santificou”. Perdoa o teu irmão!—esta é a Palavra do Senhor. Graças a Deus Pedro não era evangélico. Do contrário, nunca mais teria tido outra chance na vida depois de “trair” a Jesus três vezes na mesma noite—e olhe que ele havia sido advertido. O que será que deu na cabeça dele? Logo ele que disse que “jamais” procederia assim? Amado, abra os olhos e o coração. Deus está dando a você a chance de deixar de ser menino e se tornar um homem. Desculpe a franqueza, mas o momento é de verdade. Nele, que perdoa todos os nossos pecados, Caio


< Voltar

   

Compartilhe esta página

FACEBOOK DIGG DEL.ICIO.US TECHNORATI

Home   |   Caio Fábio   |   Notícias   |     Vem & VÊ TV   |   Loja Virtual   |   Download   |   Contato    |     En Español      In English

www.caiofabio.net  - Todos os direitos reservados. Política de privacidade e segurança