Home   |   Caio Fábio   |   Notícias   |     Vem & VÊ TV   |   Loja Virtual   |   Download   |   Contato    |      En Español      In English

E-mail

Senha Pesquisa
 

 

Esqueci minha senha Ainda não tenho cadastro

Pesquisa avançada

Hoje, sexta-feira, 22 de agosto de 2014

CANAIS

Mensagens da Graça

In English

Cartas

A Mente de Paulo

Informativo

A Nueza da Alma

Reflexões

Devocionais

Histórias

Artigos

Opinião

Clássicos

Notícias - Brasil | Mundo

En Español

Vem & Vê TV

Cadastre-se

Manutenção do site

 

Você é a favor da redução da maioridade penal?

Sou a favor da redução

Sou contrário a redução

Sou a favor da redução para idade de 12 anos

Sou a favor da redução para idade de 16 anos

Sou a favor da redução para idade de 14 anos

 

Baixe gratuitamente, livros, mensagens e conteúdos diversos.

Faça agora mesmo o seu cadastro gratuito e receba informações atualizadas.

 

Página principal > Cartas

A+  |  A-  |  Imprimir  |  Download Abrir em nova janela   |   Enviar para um amigo

QUAL O SIGNIFICADO DE HEBREUS 6:4-6?

A formatação do texto está ruim? Clique aqui.

-----Original Message-----

From: QUAL O SIGNIFICADO DE HEBREUS 6:4-6?

Sent: sexta-feira, 23 de janeiro de 2004 16:17

To: contato@caiofabio.com

Subject: ...É IMPOSSÍVEL RENOVÁ-LOS PARA ARREPENDIMENTO?

Mensagem:

 

Ao Pastor Caio,

 

Poderia explicar sua posição em relação a Hebreus 6.4-6 em breves palavras? Se aquele que recebeu o dom celestial e por alguns motivo se desviar e pregar heresia, poderá ser salvo e como? Gostaria de receber esta resposta o mais breve possível.

 

Grata, e graça e paz!

 

Célia

________________________________________________

 Resposta:

 

Minha querida amiga: Graça e Paz! 

 

A resposta está aqui no site, em Cartas e em Artigos e Devocionais, onde o texto de Hebreus 6: 4-6 está explicado.

 

Mas vamos lá...

 

Primeiro a transcrição do texto, começando do verso inicial do capítulo 6.

 

Pelo que deixando os rudimentos da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição, não lançando de novo o fundamento de arrependimento de obras mortas e de fé em Deus, e o ensino sobre batismos e imposição de mãos, e sobre ressurreição de mortos e juízo eterno. E isso faremos, se Deus o permitir. Porque é impossível que os que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro, e depois caíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; visto que, quanto a eles, estão crucificando de novo o Filho de Deus, e o expondo ao vitupério. Pois a terra que embebe a chuva, que cai muitas vezes sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção da parte de Deus; mas se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada. Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e que acompanham a salvação, ainda que assim falamos. Porque Deus não é injusto, para se esquecer da vossa obra, e do amor que para com o seu nome mostrastes, porquanto servistes aos santos, e ainda os servis. E desejamos que cada um de vós mostre o mesmo zelo até o fim, para completa certeza da esperança; para que não vos torneis indolentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas.

 

Hebreus foi escrito para quê e para quem? — é a primeira pergunta.

 

Se você souber responder essa pergunta você saberá a resposta à sua própria questão. Aliás, esse é um princípio essencial de interpretação, seja na Bíblia, seja em qualquer texto, seja em qualquer processo de interpretação—de uma conversa...à uma pintura na parede. Por exemplo, você jamais compreenderá bem nada...se não souber quais eram os contextos históricos dentro dos quais aquela informação ou mensagem foi originada.

 

Nos Evangelhos você precisa saber basicamente as seguintes coisas a fim de entender o que está dito:

 

1. Quem eram os ouvintes e quais os significados de suas convicções?

 

Por exemplo: quem eram os fariseus, quais as suas posições, qual o seu interesse político, religioso, etc... e como se apresentavam aos homens; também o que era importante e desimportante para eles...Ou ainda um outro exemplo: quem eram os Samaritanos e o que os demais judeus pensavam acerca deles? Qual o significado provocativo que há nas palavras de Jesus e no Evangelho quando sempre coloca os samaritanos numa posição “positiva”, num mundo de judeus que os odiavam?

 

2. Quais as questões daqueles dias...?

 

Isto porque muitas das palavras de Jesus eram também respostas a contextos claros e específicos. Sabendo-se quais são os contextos, fica fácil entender a palavra dita por Jesus e o significado e a força escandalizadora delas para a mente dos judeus, por exemplo.

 

3. Como foi que Jesus interpretou Suas próprias palavras?

 

Interpretou-as apenas quando as “explicou”—como o fez em algumas parábolas?...Ou as interpretou também de outra forma? Ora, as interpretações de Jesus acerca de tudo podem ser vistas nas ações de Jesus...no modo como Ele tratou as pessoas (e aí é fundamental saber quem eram aquelas pessoas e o que se pensava acerca delas naqueles dias). Nos atos e gestos de Jesus nós temos a interpretação da Palavra, de toda ela. Afinal, Ele era o Verbo Encarnado. Portanto, o Verbo-Palavra tem sua explicação na Encarnação; ou seja: no modo como o Cristo Encarnado tratou a vida, pois, nesse caso, como Nele não havia ambigüidade e nem contradição—muito menos esquizofrenia—, à cada gesto Seu há uma Palavra sendo vivida como espírito dela mesma...”As palavras que vos tenho dito são espírito e são vida”.

 

Ora, isto posto, voltemos ao princípio. Hebreus foi escrito para quê? E para quem?

 

Foi escrito para os muitos judeus cristãos que estavam voltando atrás, deixando a fé na suficiência da Graça de Deus em Cristo, e retornando ao sistema da Lei e de seus cerimonialismos.

 

Portanto, trata-se de uma epistola que adverte quanto ao fato de que após saber que Moisés, Josué, os sacerdotes, os levitas, o templo, a arca, e tudo o mais...já haviam passado...e que eram apenas “sombra das coisas que haveriam de vir em Cristo”...—os que estavam agora deixando a Graça e voltando à Lei, estavam pisando na oferta da salvação gratuita em Cristo, e voltando ao que Nele já estava extinto.

 

Ora, esses que um dia creram na Cruz, que foram iluminados e que se alegraram no amor de Deus, mas que deixaram a alegria da fé e voltaram para os jugos da Lei, colocando a sua fé num sistema caduco—e que teve sua utilidade apenas enquanto não havia chegado

 

Aquele acerca de quem todas aquelas coisas eram apenas uma miragem profética ou simbólica—; sim, a esses...é impossível renovar para arrependimento, visto que estão crucificando a Cristo outra vez—Ele morreu para cumprir a Lei uma vez e para sempre—; pois estão deixando a fé no que Jesus realizou a fim de se colocarem outra vez sob aquilo pelo que e contra o que Jesus morreu e ressuscitou.

 

Isto sim é que é cair da Graça...; e nesse sentido a “igreja”, sempre que se entrega aos legalismos, aos moralismos, aos cerimonialismos vazios, e às mecânicas de barganha sacrificial com Deus—está também caindo da Graça!

 

É bom notar que o texto de Hebreus termina esta advertência com uma palavra de esperança. “...estamos convencidos, com relação a vocês, irmãos, das coisas boas e pertencentes à salvação...ainda que falamos dessa maneira...”.

 

De fato é isto que o texto está dizendo, e sinceramente, não é uma opção pensar assim...

 

A heresia de Hebreus é a única heresia: trocar a fé em Jesus pela justiça própria e pela presunção dos feitos pessoais.

 

Todo aquele que honestamente conhece minimamente as Escrituras sabe que é disso que Hebreus está falando.

 

Um beijão carinhoso.

 

Nele, que não nos chamou para retroceder,

 

Caio

 

Copacabana

Sexta-feira, 23 de janeiro de 2004 16:17

 

 

 


< Voltar

   

Compartilhe esta página

FACEBOOK DIGG DEL.ICIO.US TECHNORATI

Home   |   Caio Fábio   |   Notícias   |     Vem & VÊ TV   |   Loja Virtual   |   Download   |   Contato    |     En Español      In English

www.caiofabio.net  - Todos os direitos reservados. Política de privacidade e segurança